Voltando à “vaca fria”

a propósito do início do curso de doutoramento (2015)…

São estas, em síntese, algumas das questões nucleares não resolvidas e que têm inspirado a investigação e a intervenção que tenho/temos desenvolvido nesta área. Inspiradoras em concreto, por exemplo, do trabalho desenvolvido numa escola, no âmbito do projeto escol@digit@l:

  • Desfasamento entre a vida na maior parte dos sectores da sociedade e o que se passa hoje na Escola relativamente ao uso das tecnologias digitais, uma Escola ainda muito afastada de uma utilização natural e regular do potencial dessas tecnologias como estratégia de aprendizagem e de preparação dos alunos para as exigências e desafios de uma sociedade fortemente tecnológica.
  • Inadequação do modo como as tecnologias digitais são usadas com fins educativos por professores e educadores que, mesmo quando reconhecem o seu potencial para a aprendizagem, acabam por usá-las de forma pouco interessante e pobre, sem grande coerência com os princípios construtivistas implícitos no currículo oficial e sobretudo como reforço dos próprios métodos de trabalho a que habitualmente recorrem.
  • Falta de, ou deficiente preparação pedagógica e didática específica de professores e educadores para o incentivo ao uso e a exploração das tecnologias digitais pelos próprios alunos, de forma inovadora e criativa e como estratégia de desenvolvimento pessoal e social.
  • Inadequação do modelo tradicional de formação e dos processos habitualmente utilizados para levar a cabo a preparação de professores e educadores neste domínio, distante do isomorfismo que a própria situação de formação de formadores deveria encerrar.
  • Falta de orientações claras e concretas no currículo nacional sobre o que fazer do ponto de vista pedagógico e didático com as tecnologias digitais no currículo, com ligeiras referências apenas ao reconhecimento da importância da preparação dos jovens nesta área, mas ignorando quase completamente a especificidade de cada uma das matérias escolares em que o currículo está segmentado (Língua Portuguesa, História, Ciências, Matemática, Artes, etc.).
  • Erro fundamental do ponto de vista epistemológico, na medida em que, na prática, se não atribui o valor que as tecnologias podem encerrar do ponto de vista de acesso e criação de conhecimento, continuando a valorizar-se exclusivamente o conhecimento do manual, um conhecimento livresco, inerte, sem grande significado para os desafios da sociedade dos nossos dias, e se continua a não considerar as novas fronteiras que a esse nível as tecnologias efetivamente trouxeram e continuam a trazer à Humanidade
    .

Para discutirmos se é ou não este o cenário mais frequente e se é ou não este um bom rationale para a investigação que viermos a desenvolver…

TACCLE 2 PREMIADO!!

O Projeto TACCCLE 2 acaba de ser premiado em Portugal pela FCT (Rede TIC e Sociedade). Graças ao excelente trabalho realizado por toda a equipa internacional do projeto que, como não poderia deixar de ser, está de parabéns! O prémio, no valor de 50.000€, irá permitir estender o trabalho por mais uma ano, desta feita produzindo atividades visando a inclusão digital de adultos.

Informação sobre os projetos vencedores: http://www.ticsociedade.pt/premiovencedores