Avaliação de recursos digitais

Publicações relacionadas com a avaliação de Recursos Educativos Digitais.

 

COSTA, Fernando (2005). Avaliação de software educativo: Ensinem-me a pescar!. Cadernos SACAUSEF. Nº1, 45-51. 

Quatro anos depois da conclusão do Projecto Pedactice ”Educational Multimedia in Compulsory School: From Pedagogical Assessment to Product Assessment” (1998-2001), parecem continuar muito actuais algumas das questões e propostas trabalhadas durante os dois anos de duração do Projecto. De facto, não só a “Avaliação de Software Educativo” continua a ser uma problemática com evidente actualidade, nomeadamente pela crescente oferta de produtos, entre eles os que tiram partido das tecnologias online, como são cada vez maiores os desafios com que se defrontam os professores e educadores que desejam incorporar as novas tecnologias de informação e comunicação (TIC) nas suas práticas profissionais e nas dos seus alunos.

Em resposta ao convite que gentilmente me foi feito para participar num Seminário sobre esta temática, o meu objetivo foi o de contribuir com algumas reflexões, recuperando parte da informação sobre os pressupostos em que o Projecto Pedactice assentou e sobre o modelo de avaliação proposto e que, em linhas gerais, se caracteriza por sugerir o envolvimento dos próprios professores na avaliação, convidando-os à análise e reflexão sobre o potencial pedagógico do software e outras aplicações disponíveis, em vez de lhes fornecer apenas os resultados da avaliação enquanto produto acabado.

Texto de base à comunicação apresentada no Seminário sobre Avaliação e Utilização de Software Educativo, promovido pela DGIDC-ME e organizado pela Universidade de Évora, Lisboa, Dezembro 2004.

 

COSTA, Fernando (1999). Contributos para um Modelo de Avaliação de Produtos Multimédia Centrado na Participação dos Professores [Edição em CD-Rom]. In Actas do 1º Simpósio Ibérico de Informática Educativa. Aveiro: Universidade de Aveiro.  

A participação dos professores na avaliação de produtos multimédia é aqui considerada como um mecanismo de enriquecimento sucessivo dos próprios professores nomeadamente através da reflexão sobre o seu potencial em termos de exploração pedagógica. Na linha de uma avaliação formadora, os instrumentos de avaliação são entendidos sobretudo como “convites à reflexão sobre o uso que os professores podem fazer do software” (Castañón, 1997) e são utilizados, entre outros, para aumentar a capacidade de reflexão e análise crítica dos professores, bem como para fornecer pistas e sugestões de utilização pedagógica deste tipo de recursos de natureza multimédia.

Primeiro de um conjunto de publicações que haveriam de resultar da atividade de investigação desenvolvida no seio do Projeto Pedactice ”Educational Multimedia in Compulsory School: From Pedagogical Assessment to Product Assessment” (1998-2001) por mim e pelos restantes elementos da equipa.

 

CARDOSO, Abílio; PERALTA, Helena & COSTA, Fernando (2001). O ponto de vista dos alunos sobre o uso de materiais multimédia na escola. in Albano Estrela e Júlia Ferreira. Tecnologias em Educação. Estudos e Investigações. Lisboa: Secção Portuguesa da AFIRSE. 741-762.  

O presente estudo faz parte de uma ampla investigação internacional financiada pela UE e foi levado a cabo com o objectivo principal de ter em conta a opinião e o sentir dos alunos, no estabelecimento de critérios para a avaliação de materiais multimédia. Para obtermos elementos sobre o ponto de vista do aluno resolvemos entrevistar pequenos grupos de estudantes envolvidos no trabalho com materiais multimédia recolhendo, organizando e analisando as respostas obtidas.

Tratando-se de uma primeira abordagem, susceptível de constituir um estudo de características exploratórias, não hesitámos em escolher os entrevistados entre os frequentadores de um conjunto de escolas de que fazem parte, também, alguns dos estabelecimentos integrados no projecto. Não se pode, assim, falar de representatividade rigorosa sob qualquer ponto de vista geográfico, social ou escolar. A amostra dos alunos entrevistados pode, porém, considerar-se como representativa dos núcleos onde trabalham os professores e alunos mais motivados da região de Lisboa, os quais ocupam lugar de vanguarda na campanha de estudar e de trazer para o trabalho da escola os materiais multimédia. Foram entrevistados um total de 77 alunos, sendo 34 pertencentes ao ensino básico e 43 ao ensino secundário.

A entrevista de grupo semi-estruturada (“focus group interview”) foi o modelo escolhido para a recolha de dados, tendo sido constituídos e entrevistados um total de 15 pequenos grupos, cada um deles constituído por 3 a 7 alunos do ensino básico (6 grupos) e do ensino secundário (9 grupos). No contexto deste trabalho, a expressão uso de materiais multimédia recobre um terreno definido genericamente por três elementos: acesso a computadores, utilização da Internet e recurso a CD-ROM.

Pioneiro em Portugal, este estudo qualitativo, permitiu auscultar a perspetiva dos alunos sobre as novas ferramentas digitais de caraterísticas multimédia disponíveis no virar do século. Realizado no âmbito do Projeto Pedactice, a ideia era precisamente a de contar também com um conhecimento detalhado da visão dos alunos sobre o software educativo existente e sobre a sua utilização na escola. 

 

VISEU, Sofia & COSTA, Fernando, (2001). A Qualidade de Software Multimédia Educativo segundo Produtores e Educadores: Perspectivas em Confronto. in Albano Estrela e Júlia Ferreira. Tecnologias em Educação. Estudos e Investigações. Lisboa: Secção Portuguesa da AFIRSE. 818-825. 

Uma das componentes do Projecto PEDACTICE tinha como objectivo identificar os aspectos (critérios e indicadores) a incluir numa grelha de avaliação de produtos multimédia com fins educativos, tendo sido desenvolvidos estudos parcelares que visavam conhecer a opinião de interlocutores privilegiados sobre esses critérios de avaliação: alunos, professores, produtores de software multimédia e de educadores e especialistas em Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC). Este texto tem como objetivo apresentar dois desses estudos: a perspectiva dos produtores e dos educadores/ especialistas em TIC. Num primeiro momento é feita a apresentação dos objectivos e design metodológico de cada um dos estudos, seguindo-se a apresentação dos resultados obtidos por cada um dos estudos: a perceção dos produtores de multimédia com fins educativos e a perceção dos educadores e especialistas em TIC. Finalmente, é apresentada uma síntese e sobre os resultados obtidos colocando em evidência c.onvergências e divergências nos discursos dos interlocutores participantes.

Tal como referido, este texto deve ser visto em conjunto com os que relatam os estudos junto dos alunos e junto dos professores, pois foi dessa triangulaçõo que haveria de resultar as grelhas e os critérios de avaliação propostos no âmbito do Projeto Pedactice.