Projeto Amadora Digital

Visita a uma escola para entrega de tablets aos professores e alunos, em resultado de projetos educativos com ideias interessantes sobre como usar estas ferramentas ao serviço da aprendizagem.

Mais um ano com as tecnologias nas mãos dos miúdos!

Mais um encontro dos professores do Projeto Aprender Digital Amadora [1º.Ciclo], desta feita a culminar mais um ano de trabalho no terreno, em que os mais pequenos puderam usar as ferramentas digitais no contexto das suas atividades letivas.

 

Na imagem, a sessão de abertura do encontro. Um encontro que contou também com diferentes especialistas nacionais na área da utilização do digital pelos mais pequenos e em que estiveram presentes cerca de centena e meia de professores e educadores do concelho.

Alunos do 2.º ano em gravações

Os alunos do 2.º ano da licenciatura em educação e formação, do IEUL, a gravar os seus vídeos sobre as atividades do Projeto LIDIA. Aprender com atividades autênticas com a Prof. Joana Viana.

Moodle Cloud

Novas experiências de formação em um Moodle de cara lavada. Um Moodle na nuvem e muito mais agradável visualmente.

Aula Online


Eis o aspeto de uma aula virtual com vídeo em que se percebe a interação, em tempo real, que hoje a largura de banda permite fazer já com bastante qualidade e que acaba por ser essencial na comunicação entre professor e estudantes e entre os próprios estudantes.

Já em 2004 recorríamos, experimentalmente, a esta estratégia de comunicação, na altura através da plataforma Centra.

Mesa Redonda Prácticum 

Resumo:
Esta participação na segunda mesa redonda do encontro, teve como objetivo apresentar e refletir sobre os principais eixos estruturantes do modelo instituído na licenciatura em Educação e Formação do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa como estratégia de preparação dos futuros licenciados em educação e formação, enquanto especialistas preparados para intervir, de forma multifacetada e competente, em diferentes contextos educativos e formativos. Constituído por seis seminários semestrais, com um total de 47,5 ECTS, é um modelo em que os estudantes têm a oportunidade de vivenciar e experienciar, de forma progressiva e ao longo do plano de estudos, as diferentes valências de uma preparação que integra, em simultâneo, a aplicação dos conhecimentos teóricos adquiridos no curso e o conhecimento direto de atores e contextos de intervenção.

A propósito, aqui fica uma apresentação muito recente e muito clara sobre a Licenciatura em Educação e Formação oferecida pelo Instituto de Educação da Lisboa.

Em Mortágua

Salas de Aula do Futuro, o tema das Ias Jornadas Pedagógicas. Mais uma oportunidade para conversar com professores interessados e motivados para o uso de tecnologias nas suas práticas.

Qualitativa na U Aveiro

Mais um sessão de trabalho de análise de dados qualitativos com estudantes de doutoramento, desta feita na Universidade de Aveiro, oriundos de Portugal, Brasil e Moçambique.

Concentração

O trabalho de análise de dados qualitativos é sobretudo um trabalho intelectual, muito exigente, em que uma forte concentração é crucial. Adorei o profissionalismo das estudantes de doutoramento da U Minho com quem trabalhei esta tarde.

LiRe 2.0

Promover comunidades de leitura com recurso a tecnologias Web 2.0 e formar leitores para a vida e da era digital…logo

LifeLong Readers 2.0, um projeto europeu em cujo contexto apresentei o trabalho desenvolvido no Projeto LIDIA, também ele dedicado à promoção das competências digitais ao longo da vida.

O Seminário “Literacia Digital: Aprender e ensinar digital” realizou-se em Castelo Branco, na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco, no dia 19 de novembro de 2016, a convite do Professor Doutor Henrique Gil, um dos representantes portugueses no Projeto LiRe 2.0.

Girona, emociona :)

Nada melhor para retomar o trabalho académico que viajar até uma bonita cidade catalã para participar num ‘tribunal’ do Programa Serra Hunter.

img_3625-1-1

à volta de PLE

Explorando o conceito de ambiente pessoal de aprendizagem no contexto do ensino superior: estratégias de trabalho e resultados, dia 20 de abril, entre as 15h00 e as 18h00, na Sala do Senado, Edifício Central da Reitoria, UA.

A sessão dinamizada por Fernando Albuquerque Costa, do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, insere-se nas ações a realizar no âmbito do Projeto FICA, que está a ser desenvolvido na Universidade de Aveiro e que tem como objetivo geral contribuir para a melhoria do sucesso académico e a diminuição do abandono escolar.

Pretendemos nesta sessão promover um espaço de discussão e debate à volta do conceito de ambiente pessoal de aprendizagem, e como este poderá ser explorado em contexto do ensino superior.

A sessão é aberta a todos os docentes, diretores de curso e outros membros da comunidade interessados em contribuir para a melhoria da qualidade da formação na UA

Reflexões gratificantes…

Uma de muitas reflexões de uma aluna sobre o trabalho que fazemos na Licenciatura em Educação e Formação, logo no 1º ano, com jovens de 18 ou 19 anos e que nos dão grande satisfação. Sobretudo pelo que tem sido a nossa abordagem ao longo dos anos, desde 1996, com uma metodologia assente nos mesmos princípios científicos e pedagógicos fundadores, independentemente das ferramentas usadas.

Unidade Curricular: Tecnologias da Educação e da Formação – Licenciatura em Educação e Formação – 1ºano 1º semestre – Instituto de Educação, Universidade de Lisboa

Continuar a ler “Reflexões gratificantes…”

Sessão síncrona

relembrando a prática de sessões síncronas com os estudantes do Mestrado em Ciências da Educação, especialidade de Tecnologias Educativas, há já dez anos atrás…

Recomeçando…

Ora aí está algo interessante para ajudar a recomeçar, cortesia do Carlos Sanches, em A Rede Educa:

“Conhecer o humano não é separá-lo do universo, mas situá-lo nele. Todo conhecimento, para ser pertinente, deve contextualizar seu objeto. ‘Quem somos nós?’ é inseparável de ‘Onde estamos, de onde viemos, para onde vamos?’”
(Do livro A cabeça bem-feita, de Edgar Morin)

Ou a cortesia do Nelson Pretto, com uma sempre divertida recriação.

challenges

TACCLEvfinal

COSTA, Fernando;  CRUZ, Elisabete & RODRIGUEZ, Carla (2015). TACCLE2 – Propostas de Atividades Didáticas Com Tecnologias Digitais. In M.J.Gomes, A. Osório & J. Valente (Eds.), Actas da IX Conferência Internacional de Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação, Challenges 2015. Meio Século de TIC na Educação. Braga: Centro de Competência da Universidade do Minho. 1062-1067.

as narrativas digitais dos alunos

Não é costume dar aqui conta de trabalhos dos alunos da licenciatura, sobretudo por se tratar de trabalhos com fins académicos, mas estes dois têm um gosto especial, pois denotam o forte envolvimento dos seus autores para com a licenciatura que abraçaram. Mesmo com os problemas técnicos que muito parecem ter afetado alguns.

Bancos da escola

É sempre bom relembrar o que é estar do outro lado. Desta vez pela mão do meu colega e amigo Pedro Reis. Sobre matérias sobre as quais tenho muitas dúvidas…

20140108-162223.jpg

Práticas de qualidade

PraticasQualidade

Seminário “Práticas de Qualidade: Resultados no Ensino Superior”. Estaremos lá apresentando o trabalho que temos feito, desde há alguns anos a esta parte, em especial nas nossas disciplinas de licenciatura e de mestrado.

Nome da prática: escol@21 – aprender em ambiente personalizadoDescrição: Estudo sobre o modo como um grupo de estudantes de licenciatura percepcionou o trabalho autónomo desenvolvido na gestão dos seus próprios espaços individuais de aprendizagem a partir da Escola 2.0, um espaço de trabalho online, aberto, de suporte à actividade desenvolvida pelos estudantes no âmbito de algumas unidades curriculares de licenciatura, mestrado e doutoramento do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.